Our

Blog

O que o segmento corporativo espera de Jair Bolsonaro

eleição de Jair Bolsonaro como novo presidente do Brasil tem trazido otimismo ao Turismo. Um dos setores que vê com bons olhos a chegada do capitão reformado do Exército é o de viagens corporativas.

O presidente do Conselho de Administração da Abracorp, Carlos Prado, endossa a voz do segmento. A união do Ministério do Turismo a outras pastas, como já é discutida pelo futuro presidente, é um ponto positivo, desde que haja investimentos, aponta ele.

Ele salienta que o setor viagens de negócios, mais do que qualquer outro, caminha junto à economia brasileira. Vale a pena ter essas perspectivas positivas? Leia na íntegra o artigo “Presidente Bolsonaro, o Turismo quer e pode ajudar”:

“O País, a despeito do clima nervoso da campanha eleitoral, sai fortalecido pela forma ordeira e republicana com que o pleito se realizou. O resultado da votação, incontestável, legitimou a vontade popular e descortinou a antevisão de cenários iminentes pelas lideranças empresariais.

Como protagonista da ampla cadeia turística, onde se insere a indústria de viagens corporativas, busco captar, filtrar e analisar os primeiros movimentos do eleito, definições de ministros e ministérios, etc. Tudo isso com a lupa focada na relevância que será dada ao Turismo como opção segura, rápida e viável à recuperação econômica do país.

A expectativa da Abracorp e de toda a cadeia produtiva do setor de turismo, pode ser resumida em duas premissas: cabe ao governo centrar foco e priorizar ações ao setor de Viagens e Turismo, e a Abracorp e toda a cadeia produtiva do setor de viagens e Turismo estão empenhados em trabalhar a favor do desenvolvimento da atividade econômica.

Vejo com bons olhos os propósitos declarados pelo economista Paulo Guedes, no sentido de que é preciso reduzir impostos, em vez de distribuir subsídios. Também enxugar a máquina pública e promover a desburocratização, para que investimentos privados possam prosperar com ganhos de produtividade e competitividade.

O redesenho dos ministérios, em gestação, é compreensível. A eventual fusão que resulte na nomenclatura Indústria, Comércio e Turismo, cogitada como alternativa, é bem avaliada pelos players e lideranças setoriais. Porém, em qualquer hipótese, defendemos que haja recursos e estrutura compatíveis com a importância do setor. Quem sabe um aparelho mais ágil e resolutivo, sob a chancela de uma mega
secretaria.

A expectativa inclui a percepção clara, por parte do governo, de que o Brasil é o destino número um no ranking mundial dos países com mais atrativos naturais. E o oitavo com mais atrativos culturais. O fortalecimento integrado do nosso receptivo, por meio de políticas de Estado – e não apenas de governo – abrirá as portas dos nossos tesouros para o mundo. Nosso portfólio ganhará destaque nas vitrines internacionais, para atrair viagens a lazer e a negócios.

Todos sabemos, muito bem, que o mercado de viagens corporativas anda, avança e prospera ao ritmo da roda da economia. Executivos e técnicos cruzam o planeta com mais intensidade quando o deslocamento se justifica. E é nesse clima de expectativa e esperança que todas as entidades do trade estão unidas e articuladas, para que possamos nos posicionar à altura da força que representamos. A união setorial e de toda a cadeia de valor é o nosso ativo mais valioso.”

Carlos Prado é empresário e presidente do Conselho de Administração da Abracorp

Lei Geral de Proteção de Dados ganha relevância na Abracorp

Nesta quinta-feira, 25, diretoria e representantes das associadas Abracorp participaram do tradicional do encontro mensal programado pela entidade. Evento realizou-se, das 9h00 às 12h00, no Hotel Transamérica São Paulo, localizado à Av. das Nações Unidas, 18.591. A abertura coube à equipe do Transamérica Hospitality Group, tendo como anfitriões Osvaldo Julio Neto, gerente geral do empreendimento, e Valter Marchesi, gerente de vendas da rede dedicado ao atendimento das TMCs associadas à entidade. Na oportunidade, exibiram breve apresentação com dados atualizados sobre a rede.

Na sequência, Danilo Weiller Roque, da Focaccia, Amaral, Pellon e Lamonica Advogados, conduziu palestra sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), já promulgada e que entrará em vigor em fevereiro de 2020. Fez uma exposição sucinta do instrumento legal e assegurou que “o Brasil entra para um seleto grupo de países que possui leis específicas com requisitos que devem ser obedecidos por quaisquer pessoas (físicas ou jurídicas), ao tratarem de dados pessoais, em qualquer meio (online e offline).” Portanto, a abrangência é enorme e inclui, naturalmente, o agenciamento de viagens.

O palestrante lembrou que “embora os contratos sejam firmados com empresas (no caso de contratos corporativos), as agências de viagens estarão lidando com dados de quem efetivamente irá usufruir dos serviços contratados (os passageiros, hóspedes, condutores dos veículos lotados, etc.). Esses dados são pessoais e, por isso, devem ser tomados os cuidados exigidos pela LGPD.”

Salientou também que a LGPD busca regular apenas questões envolvendo dados pessoais. Dados corporativos (segredo industrial, marcas e patentes, dados comerciais, entre outros) não estão protegidos pela LGPD. “Sigilo Bancário e Lei de Propriedade Industrial são dados da empresa protegidos por outros textos legais”, citou como exemplos.

Principais elementos definidos pela LGPD

Dados Pessoais: Qualquer informação que identifique uma pessoa física (como nome ou CPF) ou, ainda, informações que individualmente não identifiquem, mas que, somadas a outros dados, permitam identificá-la (como CEP, idade etc.).

Dados Pessoais Sensíveis: Informações que digam respeito à origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, relativo à saúde ou à vida sexual, e ainda, dado genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural.

Tratamento: Qualquer operação realizada com dados pessoais, como coleta, utilização, transmissão, arquivamento, armazenamento, eliminação, etc.

Agente de Tratamento: Termo utilizado na LGPD para definir quem Trata dados pessoais. O Agente de Tratamento pode ser um Controlador ou um Operador. A diferença estará no poder de decisão.

 

Controlador: É quem decide e controla o Tratamento dos dados pessoais. O Controlador pode tratar os dados diretamente, ou através de um ou mais operadores.

 

Operador: Não tem poder de decisão. É a pessoa (física ou jurídica) destacada para tratar e operar os dados pessoais e os dados pessoais sensíveis, conforme instruções do Controlador.

 

Questões relevantes

A LGPD apenas regula o tratamento dos dados pessoais e dos dados pessoais sensíveis. O tratamento dos dados pessoais será considerado em conformidade com a Lei, quando estiver amparado por alguma das 10 situações autorizadoras trazidas pela LGPD. Exemplo: mediante consentimento, para o cumprimento do contrato, ou para defesa judicial.

A depender do tratamento que se tenha interesse, a LGPD pode trazer uma exigência específica. Por exemplo: para transferir dados pessoais para outros países, esse país deve proporcionar grau semelhante de proteção legal aos dados pessoais. O controlador deve oferecer e comprovar garantias de que os direitos do titular dos dados serão mantidos.

Para se adequar à lei, as agências precisarão adotar algumas medidas. A principal delas é assegurar que as autorizações necessárias para tratar os dados pessoais estão ok – não importa se esses dados pessoais são recebidos do cliente ou se a própria agência os coleta.

Adequar-se à LGPD evita possíveis penalidades – que variam desde de simples advertência e até mesmo multas que podem chegar a R$ 50 milhões, dentre outras. Somado a isso, coloca-se o respeito aos titulares dos dados pessoais e de preservação de um ambiente saudável para todos os envolvidos na indústria de viagens corporativas.

Após o coffee break, uma participação especial de Herber Garrido – Grupo Rio Quente e Costa do Sauípe. O encontro foi encerrado com breve apresentação do Conselho de Administração da Abracorp, seguida da seção Voz do Associado.

Por que intermediar com uma TMC?

De acordo com publicações especializadas do setor, a BTN – Business Travel News, as 100 maiores empresas demandadoras de serviços de viagens corporativas do maior mercado (EUA) do segmento a maioria absoluta, recorre aos serviços de uma TMC.

Não por coincidência nem acaso, o desafio da gestão de viagens corporativas, especialmente diante do atual cenário de adversidades econômicas, e posicionamento das empresas diante do novo ambiente de negócios, impõe estratégias além da redução de custos.

O potencial de benefícios com o gerenciamento de viagens ou Programa de Viagens, de forma consolidada, com a intermediação de uma agência de viagens variam muito em oportunidades e ganhos.

Com a expertise da indústria, a TMC é capaz de avaliar e recomendar: 

  • Gestão do volume aéreo – permite uma avaliação assertiva quanto a recomendação do melhor provedor aéreo, considerando sua cobertura e destinos para o cliente, considerando análise de benchmarking.
  • Gestão do volume hotel – elaboração de estudo de oportunidades tendo em conta mapeando de propriedades mais convenientemente localizadas, com pacote mais competitivo de serviços de conveniência como internet.
  • Serviços terrestres – com o conhecimento de serviços terrestre especializados, operando com fornecedores homologados, a economia no processo de negociação vem com a segurança da execução dos serviços.
  • Avaliação de resultados – a análise do conjunto de ações relacionadas, mas não limitadas a: execução de programas de fornecedores preferenciais da cadeia, taxa de aderência a Política de Viagens, entre outros itens alinhado a inteligência de dados da TMC, é possível ainda identificar economias perdidas.

Os itens resumidos não são de menor importância quando comparado a outros atributos entregues por uma TMC como a tecnologia online, ferramentas de rastreabilidade de viajantes, e aplicação dos benefícios do Traval Analytics que trata do processo de gestão de viagens, cruzando inúmeras possibilidades que permitam a montagem de cenários de melhorias relacionadas à otimização de processos, economia financeira e satisfação dos viajantes.

Esse conjunto resumido de itens de um programa de viagens vêm em media, reduzindo em 25% os custos com viagens das corporações, a exemplo das 100 maiores empresas, sem comprometer alocação de recursos ligados ao seu “core business”.

Enfim, simplificação de processos operacionais; facilidades de suporte às atividades de treinamento de usuários e monitoria eficiente no controle dos programas e políticas de viagens estabelecidas são vantagens comparativas que permitem mitigar riscos e garantem a excelência no padrão de serviços (SLA) por meio da inexorável concentração de uma TMC.

Fonte: Blog Espaço Abracorp

Canal Abracorp Empodera – Sintonia Interativa

Gerar motivação para a busca de soluções criativas. Contribuir para a redução de padrões hierárquicos e burocráticos. Oxigenar e tonificar o poder da comunicação.

A Abracorp sustenta que a indústria de viagens corporativas deve enfrentar desafios por meio de ações inovadoras. Diálogo, cooperação entre os atores do Trade, protagonismo no ambiente de negócios e tendências; e a promoção de iniciativas e valores Abracorp estão presentes nos três vídeos que seguem.

As peças inauguram o canal Abracorp Empodera, que tem orientação e direção do Diretor Executivo da entidade, Jahy de Carvalho. São reportagens leves e rápidas, que reproduzem ações pontuais dos protagonistas da Abracorp e de parceiros. Hospedados no Youtube, os vídeos compartilham informação, editam eventos e propiciam a manifestação imediata de cada destinatário.

Vídeo 1

Jahy Carvalho inaugura Canal Abracorp Empodera

https://youtu.be/WVGuDp0Znus

Vídeo 2

Institucional Abracorp

https://www.youtube.com/watch?v=SNhfLDwjINo

Vídeo 3

I Encontro de Gerentes Operacionais Abracorp

https://youtu.be/WxuW-6ruRTA)

28 DE JUNHO – DATA RELEVANTE

Carlos Prado*

O calendário de atividades da Abracorp reservou o dia 28 de junho para tornar públicos documentos balizadores da relação entre associados, fornecedores e clientes no âmbito da indústria de viagens corporativas. Depois de um esforço exaustivo e criterioso, chegamos à edição final dos Princípios de valor do Associado; Guia de Boas Práticas do Fornecedor; Guia de Boas Práticas do Cliente. E, com isso, oxigenamos o papel institucional da Abracorp perante todos os players do mercado.

Coeso, normativo e em conformidade com o Código de Ética e Conduta da Abracorp, o texto das três peças busca aprimorar a regra do jogo. Vem, por assim dizer, revitalizar a marca Abracorp e consolidar seu peso no mercado de viagens corporativas. Da ética à compliance, passando pelas licitações e processos concorrenciais, o conjunto é uma demonstração nítida do grau de maturidade alcançado pela nossa entidade. E da preocupação em criar salvaguardas contra o perigo representado pelas más práticas.

A importância do dia 28 de Junho, estampada no título desta mensagem sucinta, agrega outro fato relevante para a Abracorp: o BI da entidade vai gerar o primeiro relatório de pesquisa de vendas de forma totalmente automatizada. Conforme vimos anunciando, desde o ano passado, nosso Business Intelligence vem para ampliar e aprofundar o processo de pesquisa, por meio da definição e seleção isenta de variáveis as mais relevantes. E com isso, aposentamos o sistema manualizado que, por mais cuidadoso que seja, tem limitações e riscos de erros.

Enquanto aguardamos o dia 28 de Junho, reiteramos aos nossos associados e partners do mercado de viagens corporativas a nossa crença no reencontro do nosso país com os caminhos do desenvolvimento sustentável. E da prosperidade. Se a economia emite bons sinais, as empresas retomam projetos, repensam metas e se livram das travas. Os executivos voltam a viajar com mais frequência, os eventos ganham novo alento e a roda dos nossos negócios volta a girar em bom ritmo, sem sobressaltos.

*Carlos Prado é empresário e Presidente do Conselho de Administração da Abracorp

Abracorp lança serviços e anuncia resultado do 1º Trimestre

Em almoço com associados e convidados, o resultado de vendas do 1º Trimestre de 2018 das TMCs Abracorpapurado pelo BI da entidade, mostra crescimento de 17,48% 

O encontro promovido pela Abracorp (Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas), dia 28 de Junho, no W-City SP, revestiu-se de relevância pela densidade da pauta e fluidez na apresentação. Depois das boas vindas e considerações sucintas do presidente do Conselho de Administração da entidade, Carlos Prado, foi distribuída a edição impressa dos Princípios e Valores do Associado; e dos guias de Boas Práticas dos Fornecedores e dos Clientes.

O advogado Marcelo Oliveira, na oportunidade, apresentou o canal ouvidoria@abracorp.org.br.Por meio desse instrumento, a entidade pode obterinformações relevantes, a exemplo de reclamações, denúncias, ponderações, elogios e sugestões. “Objetivo dessa prestação de serviço é fazer valer os Princípios de Valor e Boas Práticas”, sustenta Marcelo Oliveira.

Wilson Marcos, da Solid Corporate Travel, coordenador do Comitê de RH da Abracorp,apresentou proposta de pesquisa de cargos e salários. Na sequência, o convidado Caio Magri, diretor-presidente do Instituto Ethos, expôs a missão da entidade. Criada em 1998 por um grupo de empresários e executivos da iniciativa privada, a OSCIP propõe o engajamento empresarial na promoção de políticas públicas sustentáveis

“Empresas e lideranças precisam ser protagonistas”, enfatiza Caio Magri. O executivo revela que o Instituto Ethos tem 540 associadas, que representam poder econômico e político significativo em âmbito nacional. “Esse conjunto totaliza milhões de empregos diretos e indiretos – e isso, em si, faz uma grande diferença”, resume Magri.

BI – Inteligência de Dados

O lançamento da plataforma foi objeto do reconhecimento e da satisfação das lideranças empresariais ali representadas, notadamente as 28 TMCs Abracorp. O diretor executivo da entidade, Jahy Carvalho, lembrou que o lançamento do BI – Inteligência de Dados foi precedido de um trabalho árduo, delicado e criterioso

“A entidade se preocupou com os mínimos detalhes, do planejamento ao lançamento, para que o BI Abracorp viesse servir de referência tecnológica segura para toda a indústria do turismo”, acrescenta Jahy Carvalho. A plataforma permite gerar evoluções estatísticas e apontar tendências para diferentes marcas de fornecedores, clientes e imprensa.

Jornalistas presentes aplaudiram a iniciativa e sugeriram recortes de análise que podem contribuir com pautas de projetos editoriais. Salientaram a riqueza analítica dos conteúdos, a variedade de recortes e a precisão alcançada por meio da aplicação de inteligência artificial.

Na primeira etapa, o BI Abracorp realizou a conciliação de dados dos quatro primeiros meses – janeiro a abril – de 2018. Porém, os dados divulgados a seguir dizem respeito ao 1º Trimestre – de janeiro a março. Entre a abundância de virtudes e facilidades proporcionadas pelo recurso tecnológico, estão as tabulações especiais, de interesse econômico, que vão gerar referenciais estratégicos valiosos para os negócios.

As associadas Abracorp passam a dispor de um radar poderoso, capaz de varrer, selecionar, cruzar e produzir informações seguras. Com isso, cada TMC Abracorp integrada ao sistema poderá medir e avaliar a performance em relação à média das TMCs concorrentes. O BI permitirá, ainda, conhecer tarifas aéreas médias por pares de cidades.
TMCs Abracorp aumentam vendas em 17,48 no trimestre

A primeira edição da pesquisa de vendas Abracorp na era do BI – Inteligência de Dadosrefere-se ao 1º Trimestre de 2018, em comparação com o resultado medido em igual período de 2017. Na somatória geral, foi apurado avanço de 17,48% – o que implica numa média de quase 6%ao mês. Trata-se de parâmetro alentador – sem euforia, mas alinhado com expectativas otimistas.

A tabela que contém os segmentos que compõem o resultado geral mostra, por exemplo, crescimento destacado da venda de cruzeiros marítimos nacionais – 159,46%, na comparação do 1º trimestre de 2018 e 2017. Em valores, saltou de R$ 445.098,59 para R$ 1.154.840,56. 

A hotelaria nacional cresceu 31,29%, enquanto a internacional registrou aumento de 42,62%. Enquanto os serviços aéreos domésticos cresceram 15,87%, o incremento do segmento internacional foi de 8,17%. 

Para acessar mais fotos.

Abracorp realiza I Encontro de Gerentes Operacionais

Na pauta do evento, as principais iniciativas do Comitê de Produtos e Novos Negócios da entidade e os resultados alcançados

A Abracorp – Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas – reuniu-se na última quarta-feira, 13/06, no Braston Augusta, sob gestão da Brazil Sales – Inteligência de vendas hoteleiras. Além dos gerentes operacionais das TMCs associadas, estiveram presentes o Diretor Executivo Jahy Carvalho e a Coordenadora de Comitês da Abracorp, Daiane Moreira. O encontro também contou com uma exposição sucinta de executivos da Beck Up Seguros.

Uma das iniciativas de maior relevância protagonizada pelo Comitê de Produtos e Novos Negócios culminou com o lançamento oficial, no encontro, do Processo de Padronização de Vouchers de Faturamento na locação de automóveis. A importância da medida extrapola o âmbito das viagens corporativas, ao estender os benefícios para os demais segmentos do mercado brasileiro. A medida já está disponível para uso nos GDSs, OBTs e nas conexões diretas do tipo XML, por todas as consolidadoras, operadoras, TMCs e agências de viagens.

O Processo de Padronização de Vouchers de Faturamento, que inclui nomenclaturas e códigos para a locação de veículos, envolveu meses de trabalho da Abracorp, em conjunto com dirigentes das cinco locadoras mais representativas do país. Ou seja: Avis, Hertz, Localiza, Movida e Unidas. “Entre os objetivos desse esforço estão a redução de erros de faturamento; facilitação do processo de reservas para agentes de viagem e consequente aumento de produtividade e ganhos; e aumento da satisfação do cliente”, salienta a Coordenadora de Comitês, Daiana Moreira. Além do engajamento dos times operacionais das  TMCs,  Rute Camargo, Gerente de Marketing e Novos Negócios da Costa Brava e Coordenadora do Comitê de Produtos destaca os ganhos com a padronização: “O ganho desse trabalho foi a redução de 30 modelos de forma de pagamento para 5, padronizando as nomenclaturas e o que cada um autoriza na cobrança e utilizando o mesmo código no GDS.

Essa padronização facilitará a operação do consultor de viagem, dará maior clareza ao cliente do que foi contratado e mais segurança às locadoras no recebimento do que foi acordado. A medida deve impactar positivamente na produtividade da locação de automóveis, com foco no crescente mercado de viagens corporativas”.

Seguem os cinco tipos de vouchers de faturamento.

1 – Faturamento Simples – Diárias

2 – Faturamento Parcial – Diárias + Extras selecionados na reserva

3 – Faturamento Ampliado – Diárias + todas as despesas extras/adicionais

4 – Faturamento Total para a Agência: Diárias + Extras/Adicionais + Período Extra

5 – Faturamento ‘Totalísssimo’: Todas as despesas – incluindo multas, avarias e apropriação indébita.

Cenário favorável

A pertinência desse trabalho vem ao encontro do cenário otimista em relação às perspectivas do mercado de locação no país. Segundo a ABLA – Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis, no seu Anuário 2018, o faturamento bruto anual do mercado de locação de veículos atingiu R$15,5 bilhões em 2017, uma alta de 12,3% em relação ao ano anterior (R$13,8 bilhões).

O número de locadoras subiu 2,52%, passando de 11.199, em 2016, para atuais 11.482. O número de usuários registrou aumento de 17,24%, com mais 4 milhões de usuários entre os atendidos pelo serviço (27,2 milhões em 2017, ante 23,2 milhões no ano anterior). A Abracorp considera que o mercado de locação de carros no país, a despeito da crise econômica, tende a avançar nas viagens a lazer e a negócios. Ao fazerem as contas, pessoas físicas e jurídicas optam, mais e mais, pelo aluguel, como já ocorre nos EUA e Europa. No contexto contemporâneo, sustenta-se que a locação é o mais original dos compartilhamentos.

Ainda segundo a ABLA, a terceirização de frotas é responsável por 58% do mercado. Locação para o turismo de lazer (23%) e de negócios (19%) completam a estratificação do total de clientes por tipo de negócios das locadoras. As locadoras emplacaram 359.702 veículos em 2017, aumentando sua participação nas compras (16,56% de todos os automóveis e comerciais leves vendidos no país foram para locadoras), ante 10,95% em 2016.

Seguro Viagem

No fecho do encontro, os executivos Evandro Correa e Klaus Kühnast, da Bek Up – Soluções de Seguros, apontaram oportunidades de novos negócios para as TMCs que vierem a recomendar uma apólice de seguro viagem corporativa integrada aos benefícios ofertados aos colaboradores das empresas clientes. Mencionaram exemplos de corporações que já adotam o seguro viagem como política de Recursos Humanos. Com isso, evitam riscos desnecessários que resultam em custos elevados em caso de sinistros. Os especialistas convidados enfatizaram ser ilusão acreditar que as coberturas gratuitas dos cartões de crédito dispensam outras providências.

Também lembraram que medidas adotadas pela Susep exigem das seguradoras e da rede de distribuição de seguro viagem o dever de informar e também que seja feita a emissão de uma apólice. A consultoria ofertada pelas TMCs às empresas dos mais variados ramos e portes implica em responsabilidade. Ou seja: a de alertar a corporação cliente sobre os riscos decorrentes do viajante não ter as devidas coberturas. Em caso de sinistro, todos – empresas e TMCs – são responsabilizados solidariamente.

As informações compartilhadas com gerentes operacionais das TMCs associadas participantes do evento revelam qual é a participação de cada canal de venda. Os grandes canais produtores continuam sendo as agências de viagens e operadoras de turismo, com destaque para cartões de crédito, vendas online e cias aéreas.

Abracorp, Alagev e TMG definem agenda comum em viagens corporativas
As associações de gestão de viagens corporativas, em encontro nesta quarta-feira, 23 de maio, acordaram a criação de uma agenda de projetos comum a todas, que incluem a produção conjunta de um Mapa da Distribuição, participação no debate sobre o novo padrão New Distribution Capabilities e retomar os projetos de Meios de Pagamento para serviços terrestres, entre outros.

O entendimento foi estabelecido durante almoço para marcar o início da gestão de Carlos Prado na presidência do Conselho de Administração da Abracorp, com participação do vice-presidente Luís Vabo e Jahy Carvalho, diretor executivo da entidade.

Na oportunidade, Rodrigo Cezar e Eduardo Murad, presidente e diretor executivo da Alagev, José Francisco Vieira e Luiz Carlos, diretor executivo e conselheiro do TMG, conheceram os atuais projetos da Abracorp relacionadas à governança e transparência: os Princípios e Valor do Associado, o Guia de Boas Práticas do Fornecedor e o Guia de Boas Práticas do Cliente, este último elaborado em co-criação com as associações de travel managers.

“O grande objetivo deste nosso alinhamento é elevar a barra dos temas a serem debatidos, das soluções propostas e do nível de relacionamento dos atores da indústria”, comentou Rodrigo Cezar a respeito da elaboração da agenda comum às associações.

“Esta agenda comum é passo importante na criação de uma ponte direta para o relacionamento entre todos, na geração e compartilhamento de conteúdo relevante para o setor e na busca de equilíbrio nas relações de negócio envolvendo Clientes, TMCs e Fornecedores”, afirmou Carlos Prado.

A criação de grupos de trabalho com a participação de todos será o próximo passo para o alinhamento desejado, “especialmente visando a efetiva transparência e cooperação entre as entidades e seus associados”, complementou Luís Vabo.

Ações futuras de cooperação entre as entidades de gestão de viagens corporativas consideram ainda a participação do GBTA Brasil, que não conseguiu participar deste primeiro encontro, mas é considerado parte importante na criação da agenda comum.

Abracorp, Alagev e TMG definem agenda comum em viagens corporativas

As associações de gestão de viagens corporativas, em encontro nesta quarta-feira, 23 de maio, acordaram a criação de uma agenda de projetos comum a todas, que incluem a produção conjunta de um Mapa da Distribuição, participação no debate sobre o novo padrão New Distribution Capabilities e retomar os projetos de Meios de Pagamento para serviços terrestres, entre outros.

O entendimento foi estabelecido durante almoço para marcar o início da gestão de Carlos Prado na presidência do Conselho de Administração da Abracorp, com participação do vice-presidente Luís Vabo e Jahy Carvalho, diretor executivo da entidade.

Na oportunidade, Rodrigo Cezar e Eduardo Murad, presidente e diretor executivo da Alagev, José Francisco Vieira e Luiz Carlos, diretor executivo e conselheiro do TMG, conheceram os atuais projetos da Abracorp relacionadas à governança e transparência: os Princípios e Valor do Associado, o Guia de Boas Práticas do Fornecedor e o Guia de Boas Práticas do Cliente, este último elaborado em co-criação com as associações de travel managers.

“O grande objetivo deste nosso alinhamento é elevar a barra dos temas a serem debatidos, das soluções propostas e do nível de relacionamento dos atores da indústria”, comentou Rodrigo Cezar a respeito da elaboração da agenda comum às associações.

“Esta agenda comum é passo importante na criação de uma ponte direta para o relacionamento entre todos, na geração e compartilhamento de conteúdo relevante para o setor e na busca de equilíbrio nas relações de negócio envolvendo Clientes, TMCs e Fornecedores”, afirmou Carlos Prado.

A criação de grupos de trabalho com a participação de todos será o próximo passo para o alinhamento desejado, “especialmente visando a efetiva transparência e cooperação entre as entidades e seus associados”, complementou Luís Vabo.

Ações futuras de cooperação entre as entidades de gestão de viagens corporativas consideram ainda a participação do GBTA Brasil, que não conseguiu participar deste primeiro encontro, mas é considerado parte importante na criação da agenda comum.

Legenda da foto –  da esquerda para a direita: Luis Vabo, Vice Presidente do Conselho de Administração Abracorp, Luis Carlos, Conselheiro TMG, José Francisco Vieira, Diretor Executivo TMG, Eduardo Murad, Diretor Executivo ALAGEV, Rodrigo Cezar, Presidente ALAGEV.
Conselho de Administração Abracorp
O Conselho de Administração Abracorp, vem a público se manifestar contra ações das companhias aéreas Alitalia e Air Europa, relacionadas a redução de contrapartidas e decididas de forma unilateral, que vem a comprometer a sustentabilidade e equilíbrio fiananceiro de seus associados na comercialização de seus produtos.
O tema, redução de contrapartidas, será analisado na próxima reunião da Assembleia Geral para possível suspensão de vendas.
Conselho de Administração Abracorp
RECEBA NOSSAS NOVIDADES

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA NOSSA NEWSLETTER